EVENTO IADESCC-BRASIL 20012

EVENTO IADESCC-BRASIL 20012

1º Encontro Kalé Rhomá Brasil - 19,20 e 21 Maio Souza - PB.

1º Encontro Kalé Rhomá Brasil - 19,20 e 21 Maio Souza - PB.

quarta-feira, 8 de abril de 2009



08.04.2009
Los gitanos de Cataluña celebran su día

De derecha a izquierda: Angel Giménez, vicepresidente segundo del Plan Integral del Pueblo Gitano, Antonio Vázquez, vicepresidente del Consejo Estatal del PUeblo Gitano, Ernest Benach, Presidente del Parlament de Catalunya, Cristóbal Laso, vicepresidente de Política y Comunicación de la FAGIC, y Julio Vargas, vicepresidente de Educación de la FAGIC.
El 8 de abril de 1.971, gitanos de todo el mundo se reunieron en Londres para unificar el rumbo del pueblo gitano, que durante siglos se había ido dispersando. Allí se acordaron los símbolos que a partir de entonces acompañarían a los gitanos, fuesen del país que fuesen. Nació oficialmente la bandera azul y verde, con la rueda, imagen viva del eterno caminar de los romà, y también el himno gitano, el Gelem, Gelem, un canto emocionante que recuerda el largo recorrido que los gitanos llevan andado. Pero sin duda, si algo marcó esa cita, fue la fecha en que se celebró, ya que quedó fijada en la posteridad para ser el Día Internacional del Pueblo Gitano.
Por esa razón, hoy, día 8 de Abril, miles de cientos de gitanos del mundo salen a las calles para gritar Opra Roma!, para extender la bandera gitana al viento y para dejar claro que el pueblo gitano sigue unido, consciente de su identidad y del devenir de su pueblo.
En Barcelona, la Unión Romaní, junto con la Federación de Asociaciones Gitanas de Catalunya (FAGIC), el Consell del Poble Gitano, entre otras asociaciones y particulares, se han volcado en los actos celebrados para conmemorar la importante efeméride.

De izquierda a derecha: Pilar Clavería Mendoza, Ricardo Hernández, de Gaz Kaló, Ramón Fernández, Presidente de la FAGA, Jesús Jiménez, Presidente de la Asociación Iniciativa Gitana, Juan de Dios Ramírez-Heredia, Presidente de la Unión Romaní y José Santos Silva, Presidente de la FAGIC.

Miembros del Consejo de Ancianos de la FAGIC



Los representantes de la administración catalana también han querido acompañar a los gitanos en este día, y a primera hora de la mañana se ha llevado a cabo un acto institucional en el Parlament de Cataluña, presidido por, Ernest Benach, presidente de la Cámara, quien ha sorprendido a los asistentes pronunciando un saludo en romanò, e invitando a todos los gitanos a sentirse en el Parlament como “en su casa”.

En primer plano, Josep María Sala y el Tío José; al fondo, Jóse Santos Silva, Presidente de la FAGIC, entre otros asistentes al acto del Río Besòs.
En el acto también han participado representantes de las entidades gitanas. Julio Vargas, vicepresidente de Educación de la FAGIC, ha destacado la importancia que debería asumir el pueblo gitano en el proceso de globalización en el que está inmerso el conjunto de la sociedad, “para que la identidad gitana sea transnacional, compartida por todos”. A continuación ha tomado la palabra el vicepresidente segundo del Plan Integral del Pueblo Gitano, Ángel Giménez, quien ha querido rendir homenaje en su discurso a las mujeres gitanas por haber luchado siempre por sus familias. Cristóbal Laso, vicepresidente de Política y Comunicación de la FAGIC, emocionó a los invitados en un discurso que manifestaba los sueños que cualquier gitano alberga. “Sueño que los gitanos unidos celebran el reconocimiento de nuestra lengua, sueño que el sistema escolar trata a los gitanos como a un pueblo más, y que las leyes de educación nos tienen en cuenta, sueño con que la televisión dejan de ser carroñera, y que las radios dejan de ser simplistas y que los gitanos tenemos acceso a los medios de comunicación”, enunció.

Juan de Dios Ramírez-Heredia, Presidente de la Unión Romaní, se dirige a los presentes en la orilla del río Besòs.
El vicepresidente del Consejo Estatal del Pueblo Gitano, Antonio Vázquez, también quiso recordar que “Cataluña ha servido siempre de guía en cuanto a las políticas tomadas hacia los gitanos, porque también es gitana”. Para acabar, Ernest Benach ha insistido en que la participación de la sociedad, y en particular, la de los propios gitanos, es el único camino para alcanzar la democracia real. La recepción institucional ha finalizado con la sala en pie, mientras sonaba el desgarrador himno gitano, Gelem, Gelem, interpretado por Francisco Santiago, de la Unión Romaní.
Pasado el medio día, el punto de encuentro para seguir la celebración ha sido el Río Besòs, donde ha tenido lugar una de las tradiciones más bonitas del Día Internacional del Pueblo Gitano. Tras escuchar las emotivas palabras del presidente de la Unión Romaní, Juan de Dios Ramírez-Heredia, que ha recordado la importancia de la unión del pueblo romà para seguir celebrando las costumbres y la idiosincrasia gitana, se ha realizado el lanzamiento de pétalos de rosa y velas al río. Primero, mujeres y niñas han dispersado sobre las aguas del Besòs miles de pétalos de rosa, y a continuación, los hombres han encendido velas y las han depositado sobre el agua, simbolizando la libertad y la ausencia de fronteras con que el pueblo gitano ha visto transcurrir su milenaria historia.

(Silvia Rodríguez)


Cientos de gitanos se han unido para celebrar la ceremonia del río.

El río Besòs ha quedado cubierto de pétalos de rosa lanzados por las mujeres gitanas.





segunda-feira, 6 de abril de 2009

THIE BLAGOIL O DIEL SAR LE ROMEN TAI LE GAGEM KATAR LE LUMIA।

THIE BLAGOIL O DIEL SAR LE ROMEN TAI LE GAGEM KATAR LE LUMIA।
( Deus abençoe todos os ciganos e não-ciganos do mundo).

"Para quem tem a alma cigana Um ruído de rodas faz carroça. Deus criou-me para ser cigano.

Onde só o que importa é a caminhada.
A estrada procura o cigano E lhe oferece, deitada no chão, a caminhada. O passeio, a passagem.

A estrada nunca pára.
Ela diz: Deixe-me ciganear teus pés, sem bagagem.

Cheios de música e dança. Caminha por mim com teus anéis e tuas cartas. Basta saber ir.

Dance, cante, me incendeie com tua alma cigana para que eu possa existir.


Para onde te levo só tem um nome: Liberdade".

PARTITURA GELEM, GELEM

domingo, 5 de abril de 2009

"O Céu é Meu Teto, a Terra é Minha Patria e a Liberdade é Minha Religião".

A bandeira do povo rom (styago le romengo em romani) é a bandeira internacional do povo rom, também chamado de cigano. Foi aprovada no Primeiro Congresso Mundial Rom realizado em Londres, no Reino Unido, em 1971. A bandeira é composta por duas bandas horizontalmente dispostas de azul em cima e verde em baixo representando os céus e a terra, respectivamente. No centro da bandeira, figura uma chakra vermelha, representando a herança indo-ariana do povo rom. A Bandeira da Índia também contém uma chakra.





sábado, 4 de abril de 2009

A Logo Marca do Instituto.

A logo do Instituto
é uma adaptação da bandeira
Internacional Cigana juntamente com o mapa do Brasil.

O Azul simboliza o céu, a liberdade e os valores espirituais, pois todo cigano é livre..
O Verde representa a natureza, o chão que o cigano pisa e caminha e as matas nas quais o povo cigano abriu caminhos,
a Roda Vermelha, representada pela roda da carroça, significa a evolução do conhecimento, com a qual os ciganos percorrem o mundo.
e por fim a cor Dourada que representa a riqueza dos costumes e conhecimentos da cultura cigana.

ENTREVISTA EXCLUSIVA:

Em entrevista ao Camaçari Notícias Gilson Dantas da Cruz, Líder do povo cigano de Camaçari fala pela primeira vez a um veículo de comunicação sobre sua gente, sua cultura, e as dificuldades que enfrentam devido à imagem destorcida e preconceituosa criada pela sociedade contra o povo cigano.

1. O que representa dentro da sua cultura ser líder do povo cigano de Camaçari?
Ser líder é orientar e aconselhar os ciganos, ajudar no momento de dificuldades, dando apoio financeiro, judicial, em caso de doença e em qualquer dificuldade, pois nosso povo ainda é carente de instrução. O líder tem sempre grande participação na família cigana. Eu sou o líder cigano de Camaçari e da Orla também.

2. Quais os principais marcos da cultura cigana?
Nossa língua, que no passado serviu para livrar o cigano até da morte, as vestimentas das mulheres e adereços. O ouro é uma tradição herdada dos nossos antepassados. O cigano pode ser pobre, mas ele só usa ouro. Outro traço da nossa cultura é o nosso jeito alegre e solidário de ser. O cigano está sempre ajudando seus amigos e parentes. Também gostamos de fazer festas e celebrar nossos momentos felizes com as pessoas que amamos.

3. Quantos grupos ciganos existem em Camaçari?
Existem aproximadamente 30 acampamentos aqui dentro de Camaçari. Em todo o município inclusive na orla o numero de ciganos chega a 400 famílias.

4. Quem é o cigano?
O cigano é alguém que se preocupa e cuida dos seus familiares. É dócil, amigo e alegre. É alguém que está sempre pronto para ajudar as pessoas, apesar da fama ruim que a sociedade criou sobre nós baseada em fatos isolados de violência cometida por determinado cigano. Estamos no século XXI e o povo cigano tem acompanhado as mudanças que estão acontecendo no mundo. Nossas crianças estão nas escolas, estamos pagando escola particular para alfabetizar as mulheres mais velhas que não estudaram anteriormente. Eu tenho irmão formado que ensina em Universidade. Utilizamos os meios de comunicação, a televisão, o computador e a internet e interagimos com a comunidade ao nosso redor.

5. O que significa o Dia Nacional do Cigano para os ciganos?
O dia 24 de maio, instituído pelo Presidente Lula em 2006 como o Dia Nacional dos Ciganos é motivo de muito orgulho para nós. É gratificante saber que contamos com um governo que está atendo às minorias do nosso país. O dia 24 de maio foi escolhido em homenagem a Sara Kali Padroeira dos Ciganos. É uma conquista comemorada por todos os ciganos do Brasil.

6. Por que os ciganos reivindicam respeito à sua identidade e cidadania à sociedade?
Porque somos cidadãos brasileiros e ao contrário do que as pessoas pensam, nós temos documentos, elegemos nossos representantes, pagamos impostos. No século passado não éramos assim, mas hoje acompanhamos o desenvolvimento da sociedade. Aqui em Camaçari o cigano tem residência fixa, carteira de identidade, título de eleitor. A prova disso é que ajudamos a eleger através do voto, nosso prefeito Caetano desde a eleição passada e votamos para sua reeleição no dia 05 de outubro, pois para nós ciganos esse governo é democrático e respeita a nossa cultura.

7. Que tipo de discriminação o cigano sofre?
Sofremos muito preconceito e discriminação. As pessoas costumam generalizar fatos isolados. Por exemplo: um cigano comete uma infração contra alguém, logo seu erro recai sobre todos. Acho que não se pode mais pensar assim, pois o mundo evoluiu. Se eu Gilson cometer alguma arbitrariedade perante a justiça sou eu quem tenho que pagar pelo meu erro e não todos os ciganos. Isso precisa acabar. O cigano não é violento, matador e sem escrúpulos como tentem mistificar. Somos seres humanos e temos os mesmos sentimentos que o branco, o negro, o índio, enfim as pessoas precisam nos conhecer de perto antes de fazer julgamentos precipitados. Cada um que pague pelos seus erros na justiça. É muito cruel discriminar um povo. Todo cigano é assassino? Todo negro é ladrão? Acho que as pessoas devem refletir sobre isso.

8. Como o cigano pode se defender das injustiças perante a lei?
O Presidente da República já sofreu com o preconceito, acho que por isso atentou para nossa causa, pois contamos com o apoio do Governo Federal na pessoa de Perly Cipriano Subsecretário de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, com o Secretário Especial dos Direitos Humanos, com a Drª Mirian Stanescon, advogada e cigana que muito nos orgulha e com todos àqueles que usam da democracia e entendem as diversidades que enriquecem a cultura e a sociedade brasileira.

9. Os ciganos são conhecidos por emprestar dinheiro a juros. O que você tem a dizer sobre isso?
Realmente, porém essa pratica tem sido evitada por boa parte dos ciganos. Os bancos emprestam dinheiro a juros, os cartões de crédito cobram juros altíssimos e as pessoas não acham que estão sendo roubadas. Com o cigano acontece da seguinte forma: A pessoa o procura pedindo ajuda financeira, quando possível recebe essa ajuda. Agora na hora de pagar não age da forma correta, ou seja, não paga o que deve. Nós não temos garantias para emprestar dinheiro, quem empresta confia que a pessoa vai pagar. O máximo que conseguimos é um cheque pré-datado ou uma nota promissória. Eu particularmente não aprovo essa prática. Acho que agiotagem é contra a lei, mesmo que essa lei só funcione contra os ciganos. Essa prática será extinta do meio de nosso povo, pois nos atribuiu uma má reputação perante a sociedade, além de ter causado prejuízos financeiros a muitos ciganos que não receberam o pagamento do que emprestaram e acabaram numa situação financeira ruim.

10. Como é o casamento cigano hoje? A mulher é obrigada a casar com quem não quer?
Antigamente cigano só casava com cigano, hoje isso mudou. Acontecem casamentos entre ciganos e pessoas não ciganas. Porém ainda existe um pouco de restrição quanto à mulher cigana casar com um homem não cigano. Quanto ao casamento forçado, os coronéis assim como os ciganos escolhiam o marido de suas filhas, agora isso é coisa do passado. A mulher cigana não é obrigada a casar com quem não quer, entretanto ela só se casa com o consentimento da família. Isso é uma atitude de confiança e respeito aos pais e não uma imposição.

11. Os ciganos são ricos? O que fazem para se manter?
Isso é um mito. Na realidade existem muitos ciganos com dificuldades financeiras. Trabalhamos com vendas. Alguns têm uma condição melhor, mas não são ricos. Ainda existem ciganas nas ruas querendo ler a mão das pessoas para ganhar algum dinheiro. O que acontece é que somos um povo unido e sempre procuramos ajudar os nossos irmãos ciganos mais fracos.

12. Na sociedade contemporânea a convivência familiar sofreu mudanças. Como o cigano consegue manter a tradição e o convívio tão próximo dos parentes.
Somos unidos. Isso é um traço da nossa cultura. A família é nossa maior riqueza. Por isso estamos sempre reunidos sentindo um a dor do outro.

13. Os ciganos são fiéis às suas esposas?
Não. A maioria dos ciganos tem uma mulher cigana e outra não cigana, mas as ciganas não aceitam esse comportamento dos homens como acontece com qualquer casal. Já as ciganas são muito fiéis aos seus maridos, pois estão sempre acompanhadas por eles quando participam de algum evento ou festa.

14. Qual a religião do cigano?
Em sua maioria são católicos. Entretanto já existem em nosso meio evangélicos, e até pastor cigano.

15. O que você gostaria de dizer a sociedade camaçariense?
Gostaria de dizer em nome de todos os ciganos de Camaçari que não somos ladrões, matadores. Somos seres humanos, pessoas de bem que tem fé em Deus e acreditamos nas pessoas. Temos diferenças individuais, pois nenhum ser é igual ao outro. Peço que conheçam melhor quem é o cigano e não julguem todo um grupo por atos errados cometidos por determinado cigano.

Decreto Dia Nacional do Cigano

Decreto Dia Nacional do Cigano
"O Céu é Meu Teto, a Terra é Minha Patria e a Liberdade é Minha Religião".